terça-feira, novembro 21, 2006

Musicalidade, experiência e inovação

Dia da Consciência Negra. Ontem, decretado feriado em São Paulo, cidades como São Caetano do Sul foram adeptas à data. Mas o importante é lembrar o enfoque esperado: reflexão sobre a inserção dos negros na sociedade brasileira. Tratando-se de cultura, é imprescindível não relatar importantes movimentos musicais em que eles estejam presentes. Estão, não só construindo as trilhas sonoras da sociedade contemporânea, como encabeçando ritmos, estilos e movimentos atuais. Exemplos? Segue abaixo alguns ícones afros-descendentes merecedores de holofotes.

Jimi Hendrix faria 64 anos semana que vem, no dia 27, se ainda pudesse cantar ao vivo deixando platéias e platéias de boca aberta com toda a sua performance. Hendrix se tornou famoso, também, por tocar guitarra de formas inusitadas – até com a boca (!). Ele não era um guitarrista muito técnico ou veloz, mas inventou um novo jeito de tocar, abusava da alavanca, das microfonias, criou pedais de distorção, o famoso “wha-wha”, era canhoto e tocava com as cordas invertidas, além de pôr fogo na guitarra no fim das apresentações.
Foi cantor, compositor e produtor e é amplamente considerado o mais importante guitarrista da história do rock. Se inspirou nas inovações de músicos do blues tais como B. B. King, Albert King e T-Bone Walker, assim como nos guitarristas de R&B (rhythm and blues) tais como Curtis Mayfield. Hendrix morreu em 1970, vítima de drogas como outros ícones do movimento hippie, mas continua influenciando gerações, tendo deixado pra sempre sua marca nas páginas da história musical. Assim como ele é importante citar outros ícones, não menos importantes e muito influenciadores até hoje, como Bob Marley, Ray Charles, Steve Wonder, Chuck D e por aí vai...

Falando de Brasil, os destaques ficam para Gilberto Gil, Jair Rodrigues, Sabotagem, Rapin Hood, Seu Jorge, Bezerra da Silva, entre muitos outros. Gilberto Gil, além de cantor e atual ministro da Cultura, fez parte do tropicalismo - movimento cultural
que tinha objetivos sociais e políticos, mas principalmente comportamentais que encontraram eco em boa parte da sociedade. Gil já compôs obras para diversos cantores incluindo Maria Bethânea, Daniela Mercury, Carla Visi e Ivete Sangalo e recebeu o Grammy Latino, prêmio de Personalidade do Ano, em 2003. Sua carreira inclui um trabalho com Jimmy Cliff com quem fez, em 1980, uma excursão e uma versão em português de "No Woman, No Cry" (em português, "Não chores mais") sucesso de Bob Marley & The Wailers que foi sucesso e trouxe o reggae para o Brasil.
Vale lembrar que nesta semana a a Secretaria Municipal de Cultura da cidade de São Paulo preparou uma programação especial. As atividades, que acontecem entre os dias 18 e 30 deste mês, incluem música, dança, palestras e encontros com contadores de histórias.
Mais informações: Secretaria da Cultura de São Paulo