quinta-feira, novembro 30, 2006

A carreira de Don Omar: do Caribe para o sucesso


Há quatro anos William Omar Landrón era um típico jovem porto-riquenho, que vivia o sonho de fazer a vida nos Estados Unidos, ganhar dinheiro e ser feliz. Hoje, William Omar Landrón é Don Omar, um dos músicos mais famosos do cenário reggaeton, um ritmo que mistura o mambo e a salsa com o reggae, do mundo. O ritmo, que dificilmente consegue deixar alguém parado, é muito popular entre os países do Caribe e na comunidade latina nos Estados Unidos.

A cada CD lançado – Don Omar já tem quatro –, a popularidade do ídolo cresce, com aparições constantes na MTV, shows para mais de 50 mil pessoas e prêmios internacionais. Seu primeiro CD, The Last Don, lançado em 2003, por exemplo, vendeu mais de 350 mil cópias apenas na América do Sul, público que, até então, desconhecia o reggaeton. Na Europa, Don Omar se apresentou nas Ilhas Canárias por três vezes, todos com os 31 mil ingressos vendidos.

Hoje Don Omar divide os palcos das principais cidades da Europa, Estados Unidos, América do Sul e América Central com outros expoentes do ritmo, como Héctor Delgado, da dupla Héctor e Tito – que, curiosamente, foi o berço de Omar, quando, em 2002, foi convidado a ser backing-vocal da dupla –, além de rappers e artistas locais.

Em maio desde ano Omar lançou seu quarto álbum, King of Kings, que já alcançou o número um nas paradas da Rádio Billboard Latina, a mais importante rádio americana para música latina. Com o novo trabalho, ele também quebrou o record de vendas de Britney Spears, na maior loja de CDs do planeta, a Virgin Disneyworld, na Flórida (EUA).

No Brasil, Omar atrai alguns poucos fans, que acompanham o músico pelo
site oficial e por comunidades no Orkut.

Vida social

Apesar do sucesso, Don Omar não se esquece da infância e do seu país. Ele fundou, em 2004, o Treasure Kids Fund, fundo de caridade para crianças altistas, que destina tênis e vestimentas para as crianças com a doença em Porto Rico.

O reconhecimento veio no início de 2006, quando o presidente de Porto Rico, Aníbal Acevedo Vilá, convidou Don Omar para participar de um programa federal contra a evasão escolar. Contudo, o secretário da educação do país rejeitou a participação de Omar, pois ele não finalizou o ensino médio – vale lembrar que naquele país grande parte das crianças não terminou os estudos básicos.

Outra controvérsia de Omar é sua “guerra” com Daddy Yankee, conhecido no Brasil pela música “Gasolina”. Por diversos motivos, ambos trocam acusações públicas. Por meio do que? De suas próprias músicas...