domingo, novembro 26, 2006

Bossa Nova em novas batidas

A tropicalidade do sudeste do país, ou melhor, do povo carioca, fez com que no final da década de cinqüenta, o ritmo “Bossa Nova” tivesse um certo significado. ”Bossa”, em forma de gíria, significava: jeito, maneira e modo. Isso com facilidade, simplicidade e de maneira diferente. A expressão “Bossa Nova” surgiu através de um grupo de jovens, pois a “batida” se opunha a tudo que os mesmos achavam superado. O diferencial da “Bossa” é que ela não é um gênero musical como todos “estilos” de música, e sim um tratamento que se dá a uma música em termos de batida e ritmos diferentes.

Até o surgimento da “Bossa Nova”, o estilo musical que dominava a música brasileira era o operístico. Ainda jovens músicos, mas cansados e com necessidade do novo, intérpretes e compositores buscavam realmente o novo. Algo que traduzisse seu estilo de vida e ao mesmo combinasse com seu seleto gosto musical. Trouxeram o “Modo Novo”. Tom Jobim, Vinicius de Moraes, João Gilberto, Carlos Lyra, Nara, Leão, Baden Powell, entre outros fizeram bastante sucesso com esse novo “ritmo”.

A batida “Bossa Nova” é marcada por ser mais rápida lembrando o Drum’n’bass, estilo de música eletrônica que possui influências do reggae e contém toques acelerados. Atualmente, os dois se unem dando ao Drum’n’bass melodia em regravações de músicas de Bossa.

Dando vez ao novo ritmo, a cantora Fernanda Porto regravou a música Só tinha de ser com você, escrita por Tom Jobim, e a cedeu para as batidas contagiantes do DJ Patife ligando os dois estilos. O público agradece por ver as canções gravadas novamente e agora embaladas eletronicamente.