sexta-feira, setembro 29, 2006

São Caetano acende o hardcore
com a banda Nitrominds


A Associação Cidadão do Mundo comemora seus 11 anos de atividade em estilo gritado e com muita atitude. O Nitrominds, banda de hardcore andreense, se apresenta na associação neste sábado. A banda carrega 12 anos de estrada colecionando turnês nacionais e internacionais e criticas positivas do cenário underground.Assim a banda vem mantendo acesa a chama do harcore com grande importância entre as bandas do estilo.

O show conta com a abertura da banda Slush Gods, que também carrega o fardo do hardcore. Atração principal, o Nitrominds acata uma postura de criticas políticas e sociais em suas letras cantadas em inglês - influenciados por bandas punks como Pennywise, Bad Religion, Bambix, NOFX, Husker Du, Excel e Agent Orange.

Associação Cultural Cidadão do Mundo – Rua Rio Grande do Sul, 73,
Centro - São Caetano do Sul – SP
Sábado – 30/09 – A partir das 23h
Ingresso: R$8
Tel: 4225-1349

SalveJorge mescla estilos
de público e músicas


Oito guerreiros. Uma banda. Alguns sonhos. Muita vontade. Essa é a receita do SalveJorge – assim mesmo, tudo junto –, grupo musical do ABC paulista que abusa dos improvisos e das influências para tocar o seu “SALF” (samba afro latin funk). Denominado por eles mesmos “um coletivo multiétinico que constroe sua arte e reinventa novos rumos”, o SalveJorge traz seus timbres e ritmos para São Caetano do Sul (SP), nesta sexta-feira (29), na Associação Cidadão do Mundo – Arte e Cultura.

Segundo Gavinelli, percussionista da banda, a Associação é um dos poucos lugares no ABC que oferecem espaço para bandas como o SalveJorge. “Estamos há 15 meses na estrada e percebemos que o ABC é carente de uma casa que proporciona um espaço com a nossa cara”, explica. A banda irá apresentar um show com 12 músicas próprias, duas de Jorge Ben – um dos maiores influenciadores do grupo –, e um de Pedro Luiz e a Parede.

As musicas são em geral cantadas, apesar da forte interação instrumental, influente do samba-jazz e do afrobeat. A banda abusa dos improvisos e da estética jazzística. Mescla ritmos, melodias, prosa, etnia e hipnose através de grooves quase mântricos. “Nosso ritmo foge das características comuns, por isso temos uma mistura interessante de público em nossos shows”, destaca Gav. Segundo o músico, a mescla de diferentes estilos é que monta, não só os acordes da banda, mas também as atitudes de seus públicos. “Temos todos os tipos de gente: de patricinhas a alternativos”.

Para mais informações sobre o SalveJorge, acesse o site www.myspace.com/salvejorge. No endereço também é possível baixar músicas ao vivo e gravações de estúdios da banda.

Serviço:

Show – SalveJorge
Data: 29/09/2006
Local: Rua Rio Grande do Sul, 73 - Centro - S. Caetano do Sul (SP)
Horário: 22h
Entrada: R$ 5,00 (homens e mulheres)


quarta-feira, setembro 27, 2006

Jazz: Mr. Holland Trio se apresenta
na Associação Cidadão do Mundo

Para os fãs da música de New Orleans, o MR. Holland Trio dá o tom nesta Quinta-feira, 28, no centro de São Caetano, na Associação Cultural Cidadão do Mundo - Arte e Cultura. O trio carrega o nome do pianista Ary Holland, que é considerado um músico completo e já tocou com Celso Pixinga no Blue Note de New York - casa de Jazz mais conceituada dos Estados Unidos.

Com repertório popular diversificado, o trio apresentará Jazz livre, mais para o estilo fusion - mistura do jazz com outros estilos. "Também vamos tocar bossa nova e alguns sambas versões instrumentais de João Bosco e Tom Jobim - musicalmente são muito próximos do jazz", diz Ary Holland. Em sua terceira participação na Associação Cidadão do Mundo, o músico completa: "É um espaço perfeito pra se tocar! Um lugar onde as pessoas que vão realmente estão lá pra te ouvir, isso é muito legal". O show conta ainda com a presença de uma saxofonista, convidada pelo trio.

Neste dia, a associação comemora 11 anos de trabalho voltado para a difusão da cultura na região. Entre suas ações nesse período destacam-se a Rádio Vitrola (Rádio comunitária, a primeira de São Caetano, que ficou no ar entre 1996 e 1999) e o Projeto Cidadão do Mundo – Circuito de Arte e Cultura, projeto que levou para diferentes áreas de São Caetano oficinas de rádio, fanzine, grafite e fotografia. Em dezembro de 2005 inaugurou a sede da associação, com intensa agenda cultural de shows, exposições, lançamentos de livros e revistas.

Resultado da parceria entre o Cidadão do Mundo e a Associação dos Artistas, acontece também na quinta a vernissage da exposição de Roberto Wally e Antônio Tassara, a partir das 20 hs.

Vernissage - Roberto Wally e Antônio Tassara: A partir das 20h
Show - Mr. Holland Trio : A partir das 22hPreço: R$5,00 Espaço Cultural Cidadão do Mundo - Rua Rio Grande do Sul, 73, CentroSão Caetano do Sul - SP


terça-feira, setembro 26, 2006

Moscas de bar e literatura


No fundo do salão, um cantinho acolhedor. É o barzinho da Associação Cultural Cidadão do Mundo. Bebidas para todos os gostos: desde sucos e energéticos até refrigerantes, cervejas e drinks. Na parede, o menu indica os preços e o nome do lugar: Barfly.

Justa homenagem a um dos grandes escritores da modernidade: Charles Bukowski. Com destaque tanto na prosa quanto na poesia, ele se tornou um ícone para uma juventude perdida. Linguagem coloquial, curta e direta, Buk contou em seus livros um pouco de sua própria história. Dias e noites bebendo, apostando em corridas de cavalo e trocando de emprego, de bico em bico.

O escritor teve alguma fama e passou a conviver com artistas e intelectuais, muitos dos quais desprezava absolutamente. Foi convidado a escrever um roteiro para um filme. O produto final foi Barfly, onde Mickey Rourke interpreta Henry Chinaski, alter ego de Bukowski. A experiência depois se tornou livro: Hollywood, considerado uma obra-prima.

A literatura de Buk revela, por detrás das palavras duras, um carinho incomparável pelos perdedores. Tipos comuns na Los Angeles de sonhos perdidos onde passou grande parte de sua vida. Mais conhecido no Brasil por suas novelas e contos, o “velho safado” – como ficou conhecido o escritor - possui também uma vasta obra poética, pouco conhecida por aqui, porém mais elogiada pelos críticos do que sua prosa.

Ao sentar para tomar qualquer coisa enquanto assiste a um show ou uma exposição no Barfly, lembre-se de Charles Bukowski. Procure por ele em sua próxima visita à biblioteca ou à livraria. E conheça um dos mitos da literatura de nosso século. O sempre polêmico Buk.

“Eu era um grande poeta, ele me disse, mas eu bebia. E tinha vivido uma vida desgraçada e marginal. Hoje, os jovens poetas bebiam e viviam vidas miseráveis e marginais porque eles achavam que era assim que se fazia” – Charles Bukowski


sexta-feira, setembro 22, 2006

Para saudar a primavera com boa música


Festa, boa música e a primavera. Três palavras que resumem a programação de amanhã na Cidadão do Mundo. A Festa da Primavera nos Dentes, o evento temático dessa semana, se inspira na música, de mesmo nome, da banda Secos e Molhados. E faz referência à primavera que começa hoje. A atração é o show da Banda POUCAS TRANCAS, conjunto que tem influência nos Secos e Molhados e em outros sons dos anos 70.

Poucas Trancas é uma banda de Santo André e tem um ano de carreira. O repertório inclui canções de autoria própria e covers de Raul Seixas, Mutantes, Chico Buarque. E é relevante a influência de Gênesis. Assim, a banda é uma mistura de estilo setentista com a atualidade. “Tocamos músicas de bandas antigas, mas temos clima atual. Nossas letras falam bastante do dia-a-dia, do ambiente que se vive hoje”, diz Rodrigo Régis, tecladista que canta e toca flauta, viola e sanfona. Rodrigo completa que as letras falam da rotina, mas não se prendem só a isso. Como em “A gangue do Robertinho”, que tem pitadas sarcásticas e “A vida de lá”, que é a mistura com sertanejo, mostrando também que não ficam só no rock.

Na maioria das vezes a maquiagem teatral faz parte do show, o que nos remete aos rostos pintados dos Secos e Molhados, nas décadas de 70 e 80, e até mesmo à banda atual Teatro Mágico. Mas, para Rodrigo, a caracterização não tira o foco da música em si. “A maquiagem é espontânea. Às vezes usamos, às vezes não. Nossa preocupação é mais com o conteúdo do que qualquer outra coisa”, explica.

A banda já tocou varias vezes na Cidadão do Mundo, inclusive inauguraram o espaço para shows. Sempre acompanham seus trabalhos e atividades. “O espaço é muito legal, é bom e o ambiente é agradável para tocar. As pessoas que freqüentam são centradas e estão lá realmente atrás de cultura. Não é como num bar onde as pessoas vão beber e por conseqüência nos assistem. É o contrário”, comenta o tecladista.

Festa da Primavera nos Dentes – A partir das 22h
Com a banda Poucas Trancas
Horário do show: A partir das 23:00h
Preço: R$5,00
Site da Banda: http://www.poucastrancas.com.br/
Espaço Cultural Cidadão do Mundo - Rua Rio Grande do Sul, 73
São Caetano do Sul - SP


quarta-feira, setembro 20, 2006

Eis a história...

Em 1995, na cidade de São Caetano, um grupo de amigos resolveu dinamizar a cultura e a arte em sua região, e assim nasceu a idéia da Associação Cultural Espaço de São Caetano, localizada no ABC. O objetivo era simples: defender a livre expressão artística, cultural e dos meios de comunicação.

Uma rádio comunitária de baixa potência, sim, essa foi a idéia no início - que por sinal deu muito certo! Rádio Vitrola FM 101,03 – difundiu por 4 anos (1996 – 2000) o ecletismo, respeito e a diversidade cultural. “No começo eram 10 pessoas, mas foi aumentando. Tinham programas de blues, música latina...entrevistas”, diz Piti, diretor de comunicação da associação. “Por ser pequena, a rádio alcançava uma galera interessada, que se reunia e conversava. As pessoas se interessavam e vinham procurar quem fazia aquilo, pediam para ter um programa...”, completa Piti.

Mas, como tudo que é bom dura pouco, a Rádio Vitrola sofreu uma ação repressiva e foi tirada do ar pela Anatel, impedindo que seus ideais permanecessem vivos. Porém, o intuito da associação não teve fim com o término da rádio.

O trabalho continuou na rua Rio Grande do Sul, 73, no Centro de São Caetano do Sul e com novo nome: ASSOCIAÇÃO CULTURAL CIDADÃO DO MUNDO - ARTE E CULTURA. “A cultura fez e faz do homem um ser transformador, por isto acreditamos que é através da intensa participação cultural, que um outro mundo é possível”. A frase é um dos lemas da Associação, que conta com saraus de música, poesia, artes plásticas; ciclos de cinema, mostras teatrais, encontro com músicos e workshops.

A troca de experiência é tão rica em idéias que, alguns dos participantes são atualmente ativos produtores culturais de vídeos, participando de festivais e foram exibidos na TV. Além de distribuir fanzines na comunidade, afim de incentivar a escrita e a leitura.

Assim, a Associação Cidadão do Mundo busca, de uma forma contínua, uma identidade regional através da expressão artística.


terça-feira, setembro 19, 2006

Cidadão do Mundo - 11 anos de arte e cultura

O espaço é aconchegante. Um palco, paredes decoradas com discos, desenhos e posters. No fundo, um pequeno bar. É assim a sede da Associação Cultural Cidadão do Mundo, que já recebeu mais de 50 bandas. Rock, blues, jazz ou MPB. Qualquer que seja o estilo, a casa está aberta para que os grupos apresentem suas próprias composições.

“Tem muita coisa diferente acontecendo por aí. Queremos mostrar isso, fugir da repetição e do comércio”, explica Eyler Faria, o "Piti", diretor de comunicação da associação. Ele ainda ressalta que a Cidadão do Mundo dá espaço para que as bandas toquem suas músicas, enquanto outras casas preferem apresentações com covers de artistas famosos para atrair mais público. E não é só de shows que se compõe programação cultural. Há também o Cineclube “Jairo Ferreira”, onde são exibidos filmes e promovidos debates. A agenda também abriga outros eventos, como lançamentos de livros ou revistas e exposições de arte.

Para participar das atividades, são cobrados cinco reais. Parte do dinheiro fica com a banda, enquanto o resto ajuda a pagar o aluguel e manter aberto o espaço. A renda necessária para manter tudo funcionando é complementada pelos lucros do bar e pelos próprios integrantes da associação. Para Piti, existe uma carência desse circuito cultural alternativo. E, como não tem fins lucrativos, a Cidadão do Mundo pode trazer bandas e artistas independentes sem se preocupar em atrair centenas de pessoas ou vender muitos ingressos.

A Cidadão do Mundo Arte e Cultura completa neste mês onze anos de atividades, que incluem desde a criação de uma rádio comunitária - fechada há seis anos pela Polícia Federal - até oficinas culturais ministradas em escolas. Desde de que se hospedou em seu atual endereço, no início do ano passado, a associação coleciona erros e acertos. Como diz o presidente Róbson Timóteo, eles aprenderam "colocando o dedo na tomada". Com cada vez mais experiência, vão transformando sua sede em São Caetano do Sul em um ponto de encontro para quem busca uma opção alternativa de cultura e lazer na região.

Serviço: Cidadão do Mundo Arte e Cultura – Rua Rio Grande do Sul, 73 – Centro – São Caetano do Sul – Telefone: 4225-1349